29 de fevereiro de 2008

A rosa ...









Rosa...








Corpo que tantas fez o aroma essa caricia



Em flor se consome



Encantou de um prazer sutil,de uma delicia ...



Sem igual e sem nome...



Onde o lábio se abriu,úmido como as rosas



Quando amanhece o dia



Para o sorriso,o beijo e as coisas deliciosas



Que o amor pronuncia



A alma submissa e vã supõe encarcerada



No corpo essa prisão



Ilha de um rude mar,princesa desterrada



Flor caída no chão...









Autor: desconhecido









0 comentários: